MOVIMENTO DOS TRABALHADORES PUBLICOS DA AREA DE BOSTON,1981-82

Entrevista com Scott McGuire

English     |     Portugues

P. -Porque você não começa falando sobre o folheto que vccê distribuiu?

R.-Eu infelizmente não tenho mais uma copia dele.Mas havia três pontos essenciais no folheto original que nós distribuimos.Como a coisa começou foi que eu pedalava todos os dias indo para o trabalho com outro professor e eu falava sobre a crise ‘comentando sobre o fato do sindicato não estar fazendo nada.Mas um dia eu disse”:Nàs devíamos fazer alguma coisa”.0 sindicato não faz nada.Ele disse:”tudo ben”.Entáo decidimos escrever juntos um folheto e passa-lo adiante.Ele disse “ótimo’ .Ele não tinha tido nenhuma experiência em panfletos…

P.-Então ele não era própriamente politizado…

R.-Ele não era politizado mas certamente concordou que devíamos fazer alguma coisa. Eu acredito que naqula altura todos que não pertenciam ao corpo de professores estáveis já sabiam que seriam mandados embora .Potencialmente. Não estávamos tão certos assim.Era especulação.Eje não tinha estabilidade,eu não tinha estabilidade.Nôs decidimos fazer alguma coisa. Chamamos um amigo meu, ele estava interessado também. Teríamos um encontro no meu apartamento,nos reuniríamos e escreveríamos o folheto ‘assim nos reunimos em um sábado pela manha e escrevemos o folheto.Era literalmente um parágrafo anunciando que a crise estava realmente alcançando enormes, proporç6es e que tinha de haver uma resposta,e que ninguém faria nada a menos que nó mesmos fizéssemos,e ‘acho,delineamos, algumas potenciais aç6es de trabaiho,não falando sobre greve particularment é,mas sobre aç6es no futuro.E baseados nisso fomos a fundo em três pontos fundamentais do folheto,que foram o ponto central dele.A primeira é que qualquer ação seria inter-setorjal,não me lembro exatamente como redigimos isso,mas que não deveria haver somente professores ‘deveriam participar todos os trabalhadores ptblicos,o setor püblico como um todo.Nó éramos professores do sindicato,o BEA,Associaçào da Educação de Brookljne.E eles se distinguiam da AFT sendo mais urna organização profissional ‘menos orientada pelo sindicato.Assim dissemos que teria de ser intersetorial,iria além dos limites geográficos,ern outras palavras se estenderia por outras localidades ‘ou seia,a crise do estado precisa de urna resposta que abranja todo o estado.E o terceiro ponto essencial era que todas as ações ‘todas as decisões tinham de estar nas mãos daqueles que tomaram aquelas decisöes.Com, todas as pessoas envolvidas,eu não me lembro como escrevemos isso.

P:-Mas básicamente,com democracia direta.

R :-Certamente ‘democracia direta.Veia ‘ a maneira corno redigimos isso de que as três coisas eram pontos cardeais,centrais para qualquer ação.E o que foi interessante é que eles pareciam-e fui eu que os redigi como pontos centrais-tão apropriados que você não’ podia argumentar com eles.Vocênäo podia dizer “Não,precisamos permanecer com o movimento a nível local.” Porque um dos rapazes era um esquerdista e o outro não tinha partido, mas todos dissemos que precisávamos fazer alguma coisa.Tornaram-se então os pontos centrais e é interessante,como não foi questionado.Mais tarde, ‘a medida que o movimento caminhava foi questionado.Assim que tudo começou.

P:-Você quer dizer que o folheto teve redação mista

R;-Bern, n o distribuímos quase clandestinamente Nós não o assinamos, o que se tornou um ponto de discussão, ‘pois não havia autor para o partfleto.Colocamos na caixa, postal pois todos os professores tinham a sua caixa postal e distribuímos 68.0 em nove escolas. Ios tínhamos apenas que leva-las bem cedo pela manhã e a tarde e coloca-las na caixa.E assim foi que tudo começou.

P:-Como vocês assinaram?

R:Nós não assinamos,colocamos apenas “Professores de Brookljne”,foj tudo. Nós não tivemos a intenção,não havia razão para não assinarrno5,nem fizemos isso por estar com rnedo,nào querrnos ser arrogantes e dizer “Bem, resolvemos isso’ ‘pois não havia organização,não havia nada,era apenas uma idéia nossa que queríamos que chegasse aos outros ….

P: -E não havia P0 Box,nem numero de telefone…

I:-Nada, nada mesmo.Tudo que queriamos era trazer ‘a baila a discussão em reuniões ‘nas reuniões do sindicato ou reuniões da faculdade,queriamos nos reunir e dizer,bein,passamos um folheto achamos que nosso folheto tem mérito ‘ e queremos discuti-lo. .0 que aconteceu em seguida foi que marcaram uma reunio do sindicato.

P:-Em resposta ao folheto?

R:-Bem,a reunião do sindicato estava marcada iáanteriorrnente,mas penso que o que aconteceu foi que muita gente compareceu’a reunião em resposta ao folheto. P:-Pensando que…

R:-Bem,eu não sei que tipo de resposta foi Eu não sei bem o que aconteceu

P:-0 sindicato foi especificamente atacado no folheto?

R:-Não ‘tudo que dissemos.foi que havia uma inatividade enorme,ninguém fazia nada e que então nós tínhamos de fazer por nós mesmos.Foi tudo.Não fizemos nenhum comentário especifico sobre a falta de iniciativa do sindicato. .0 sindicato.A presidente do sindicato achou que passamos o folheto antes da reunião do sindicato Estou certo de que essa foi a causa de me convidar e,convidar outro dos rapazes que escreveram o panfleto,para conversamos e atacar- nos como sendo absolutos sabotadores do sindicato…

P:-Corno ela descobriu que vocês?…

R:-Bem éisso que me faz ficar confuso sobre a sequencia.das coisas.Ela nos chamou após a primeira reunião do sindicato Porquê não.me lembro como ela poderia ter descoberto que éramos nós..E também não faziamos nenhum esforço para manter segredo De qualquer forma,ela acusou-nos de sabotagem,e nos dissemos você não tem ninguém a acusar a não ser vocês mesmos,porque o sindicato não esta fazendo absolutamente nada para evitar estas dispensas,etc. Aconteceu a reunião do sindjcato,e, intrigante,foi que a agenda era a agenda regular do sindicato,rnas foi imediatamente esvasiada por questões sobre quem escrevera o panfleto.

P:-Perguntas dos burocratas?

R:-Não, da sala, dos membros do indicato.”De onde vem este panfleto?’Quem escreveu?Quem colocou na minha caixa de correio?Quem não o assinou?.Havia uma raiva enorme pela falta de assinatura Quem tinha tido a coragem de por na minha caixa do correio e nem ao menos mostrar quem são? Um outro assunto que teve graça foi que em uma das escolas,a secretária ou o diretor autorizou alguém a ir em todas as caixas de correio e retirar os folhetos..Agora ‘nada foi tirado das caixas, nada.Não importava quem tivesse colocado os folhetos lá dentro.Os vendedores do seguro vieram ‘selaram as caixas e ninguém podia tocar nelas. .Ninguém autorizou aquilo,eles apenas disseram” Eu sou um’ vendedor de seguros,quero promover isto.”Algum teve a audácia de tirar um selo.Foj quando as pessoas ficaram realmente bravas.fjcaram tão bravas com isso quanto ficaram antes,, sobre quem tinha assinado o folheto.Assim imediatamente eu levantei e disse que eu tinha escrito o folheto,outro rapaz levantou e disseEu ajudei a escrever o folheto,nós escrevemos juntos e o terceiro rapaz que ajudara levantou e disse que ele escrevera o folheto,assim nós três nos identificamos,em que escola nós ensinàva-mos,porque fizemos aquilo,e então uma quarta pessoa que não escrevera o folheto ‘que era simptico a ele,’-e nós não tínhamos planejado isto antes” -levantou e disse’Eu também ajudei com o folhet”o .Um quinto levantou e disse”eu também ajudei com o folheto’e um sexto levantou, pelo menos três pessoas levantaram e disseram que ajudaram a escrever e distribuir os folhetos ‘para tirar o foco sobre a gente.Assim muitas pessoas que não receberam o folheto disserarn”Leia o folheto alto, bem altoassim um de nós levantou e leu alto, e aquilo dominou a discussão dali por diante.

P:Como os burocratas do sindicato lidaram com a situação ?

R:Estavarn meio tontos com aquilo ‘havia tanta falta de experjeficia de sua parte que não sabiam como responder a tudo aquilo,e básicamente prometeram que não tinham nada a ver com a retirada de folhetos das caixas do correio,mas penso que pensavam mais ou menos ‘nós temos meios de lidar com esses assuntos a nível do estado e ao nível local pois são coordenados,e que estes so assuntos que estamos discutindo agora, e confie em nós,conf je em noeram as linhas básicas que eles estavam dando.ßem,o que aconteceu,de novo, não me lembro da sequencia,se foi antes ou depois da reuniao em que nos atacaram pr sabotagem. ‘Imediatamente naquela semana, a mesma em que houve a reunião, em uma escola a que no pertencíamos houve outra, surgida espontaneamente nesta escola para discutir o assunto de urna ação de trabalho,no contexto do folheto.Fomos convidados,como autores do folhetim para participar.Então discutimos nosso caso mais claramente, mais elaboradainente,a idéia toda sobre o controle de ações de trabalho,sobre a absoluta necessidade de levar isso adiante.E ai eles decidiram que precisavâmos de urna organização,entào espontaneamente criamos um comitê Levamos poucas semanas pra escolher o nome,finalmente achamos urna nome ‘que era para organizar e coordenar outras reuniões, que era o seu propósito.

P:-Era o CIJA?

R:-Sim Coalizão para urna Ação Unificada.O próximo passo da coalizão foi distribuir panfletos convidando para uma reunião aberta ein urna das escolas,onde os trabalhadores públicos eram convidados,e eu .acredito,convidaram ao público em geral.Em outras palavras todos estavam convidados para a reunião.Foi urna renião aberta para discutir ações de trabalho.N6 éramos uma organização e os convites eram para trabalhadores públicos, mas não impediríamos ninguém de participar.Foi esta a política que decidimos .Foi a fórmula que arranjamos para termos o maior número de adesões possivel,assim todos podiam falar pondo seu nome na lista de oradores Não havia agenda ‘ não havia nada senão a forma como a reunião áe desenvolveria.Não havia linha politica,näo havia argumentos por esta ação ou outra qualquer, simplesmente dizia: ‘o corno e o porque da reunião,a forma de organização é que qualquer um pode falar ‘basta por seu nome na lista,apenas levante a mão e poremos seu nome na lista ‘você espera a sua vez,e ai podem vir ao microfone para que todos possam ouvir,pois era um grande auditôrio,todos têm dois minutos e meio para falar,se quizer mais tempo continue pondo seu nome na lista, ou o proximo orador pode deferir seu tempo para voô se quizer..Foi uma coisa equitativa para todos, Num instante toda espécie de idéias incríveis estavam espoucando,toda sorte de explicações e análises..Havia pelo menos cem pessoas neste encontro,se não mais…

P:-Isto foi na reunião pública?

R:Bem pública em termos,porque era dos trabalhadores públicos de Brookline,mas eu acho que sã professores foram.Não me lembro de não professores lá.Se foram eles certamente não falarm.Ainda era realmente uma coisa só de professore.A diretoria do sindicato veio.Todos eles.E todos sentaram juntos enfileirados no fundo,e permaneceram completamente silenciosos durante as duas horas do encoritro.Nào disseram uma palavra.As pessoas atacavam o sindicato.Eu levantei, e falei contra o sindicato duas ou tres vezes duramente,dizendo que ele era urn obstáculo e que tinhamos de ultrapassar isto.0 sindicato não disse uma palavra durante a reunião toda

P:-Porquê?

R:-Acho que estavam chocados,acho que não sabiam como responder,E a única explicação que tenho…

P:-A diretoria do sindicato era de professores?

R:-Sim ‘todos professores.

P:-Então não eram profissionais em tempo integral.

R:Não eram profissionais tempo integral Mais tarde tentaram distorcer o que fizemos.. Após aquela reunião a fórmula que adotamos foi aquela .0 sindicato,imediatamente ‘quando percebeu … foi imediatamente após o encontro,chamou-nos.Recebj um convite do presidente do sindicato,aquele mesmo que me atacara por sabotagern,que me disse muito humilde,nós subestimamos a reação de vocês ‘nós estávamos errados,vocês têm mesmo muito boas idéias, gostariarnos que vocês fossem um importante sub- comitê do nosso comitê de estratégia do sindicato ou alguma coisa assirn.Eu ‘claro, discordej.Eu disse,’Bem, olhe,eu irei até o pessoal e direi sobre a sua proposta’,e eu intencionava apresentar a coisa de maneira bem obietiva,que eles nos ofereciam um subcomitê.Eu argumentaria contra isso. Mas o grupo unânimimente votou contra.E ‘novamente, eram pessoas que não tinham nenhuma formação politica anterior,na sua’ maior parte, eram pessoas que não tinham agenda politica,que foram envolvidas pela Coalizão de Ação Unificada.E eles disseram “esqueça,o sindicato não pode fazer da forma que propomos .Nós queremos ir além de Brookline, além dos professores,e queremos uma ação que abranja o estado,e o sindicato não pode fazer isso,são incapazes disso’

P:-Você mencionou, a última vez que falamos sobre isso que haviam esquerdistas de várias tendências que eram hostis aos rumos tomados…

R:–Não,a única hostilidade no começo,e nem tanto uma hostilidade,foi o desentendimento comigo em particular sobre minha hostilidade com o sindicato,argurnentando que não, você está subestimando o sindicato,o sindicato tem apenas uma mit diretoria,precisamos de uma liderança com novo perfil,o sindicato é um bom veiculo,tern apenas má liderança,e você esta dizendo que todos os sindicatos são necessáriamente inimigos sempre, não importando que direção tenhain.Este tornou-se um debate aberto, que não se resolveu,e as pessoas que não eram politizadas ficaram sentadas olhando o debate ocorrer entre eu e outro esquerdista..E o que eventualmente aconteceu eque o sindicato começou a mostrar seu rosto neste debate,nessas atividades,mostrando-se estruturalmente incapaz de mudanças nada fazendo a não ser tentar sabotar o que fazíamos ‘incorporando-nos em alguma espécie de sub- comitê.A coalizão como um grupo não tinha cargo no sindicato, de fato, nunca teve nunca se declarou sobre isso.Na verdade,a maioria da coalizão protestou contra isso e rasgou seus cartões de membros do sindicato.Mas a coalizão nunca veio a público e disse como um de seus principios ‘o sindicato é o obstáculo’,que era o que eu estava defendendo todo o tempo, dizendo”isto tem de ser nosso quarto principio’.E este era o debate.E então o sindicato do estado organizou uma passeata por todo o estado.Primeiro organizou a mobilizao dos professores de Boston Common. Assim a coalizão decidiu que era a oportunidade perfeita para falar sobre o que estavitmoth fazendo.Assirn nós escrevemos básicamente quais eram nossos principios,reafirrnando nosso primeiro folheto…

P:-Esta era a MTA(A Associação dos Professores de Massachusetts ) que convocou para a passeata?

R:-A MtA.A nível de estado & MtA.Assim a MtA organizou isso,iunto com outras organizaçöes,rnas primeiro com professores do estado, vinte mil pessoas, acho, vieram para a passeata.

P:-E eram todos professores?

R:-a maioria deles era.A coalizão fez um panfleto reafirmando nosso folheto original,os tres pricipios,a
idéia de espalhar o movimento até as fronteiras do estado,a idéia de que isso tinha de estar sob controle das pessoas que faziam o movimento,dai precisarmos de uma reunião com os trabalhadores públicos e convidamos todos para participar.Distribuimos muitos folhetos, a todos os trabalhadores do estado.Era nosso alvo.Qualquer pesssoa que trabalhasse no setor público. .quer dizer,todos eram benvindos.todos convidados a falar.Ninguém perguntou ou verificou a situação de ernprego,pessoas desempregadas podiam vir também.Era urn principio que tinharnos, que todos as reuniões fossem abertas.E continuamos a distribuir… A ICC também distribuiu seis mil folhetos na quela reunião.

(Nota do Editor:A ICC éa Corrente Internacional Comunista, uma tendêcia de ultra esquerda com seções em muitos paises incluindo os Estados Unidos, mas mais influente na Europa,principalmente na França.)

P:-Você era da ICC?

R:Não, não naquela época.Muitas pessoas vieram Elas distribuiam folhetos, eu distribuia os folhetos da Coalizäo,na época e convidamos para urna reunião passada uma semana depois da passeata da igreja da rua Arlington,rnas não tinhamos idéia de quantas pessoas viriam ‘e para nossa surpresa cem pessoas vieram de todo o estado de Massachusetts,inclusive pessoas que guiaram uma hora para vir ao encontro.Vieram para esta reunião trabalhadores públicos, e ate não professores. Muitos, esquerdistas vieram,Trotsquistas ‘distribuindo s seus jornais l. fora em frente ao local do encontro.NOs os convidamos para entrar,para apresentar suas idéias e não ficar alifora.Dissemos que se tinham alguma coisa a dizer podiam falar na reunião.Veio a televisão,os jornais e ‘todos instalaram suas câmeras.Eu ia fazer a apresentação mas o grupo decidiu que eu não a faria ‘que era melhor ficar sentado na audiência,porquesabiarn que eu falaria muito. Estavam um pouco assustados,Os professores que se sentaram la no alto e fizeram a primeira apresentaçäo,corn exceção do esquerdista estavam bastante nervosos. Veio ateum diretor. Ele era o diretor de uma das escolas ‘esquerdista dos velhos tempos e nos apoiava..E os professores estavam muito nervosos, porque iriam se levantar e defender ,o fechamento de todos os serviços públicos no estado de Massachusetts,püblicarnente e na frente das cârneras,e isto era urna coisa que assustava aqueles professores Levantou-se um chefe de departamento e começou a atacar o grupo que estava ali so para a introdução e para mediar o debate querendo saber quem eram eles,porque não se identifjcavarn.Naturalmente ficaram aterrorizados nesse mornento,para se identificar, mas levantaram-se e disseram “Eu sou.. . ‘e fizeram todo o ritual,Eu sou tal e tal, de tal e tal escola em Brookline,Massachusetts,e estamos defendendo uma greve de todo o estado dos trabalhadores públicos para paralizarmos o estado, paralizarmos até resolvermos a crise de uma forma que acharmos iusta.”.E o que éinterssante sobre este encontro particuiarraente,é que não eram um punhado de gente que veio para sentar-se e buscar informação.As pessoas que vieram tinham-muita energia,muita paixão ‘e levantaram-se imediatamente e começaram a falar,um após o outro,dizendo o que estava acontecendo na sua comunidade,o que acontecia no seu setor de trabalho,e o que o sindicato não estava fazendo,e ainda ‘aqui está o que o sindicato não faz”,e assim o sindicato tornou-se o tema central em seguida..Eu levantei e imediatamente falei sobre o papel d sindicato como sabotador,que o que nós preciavarnos era avançar,ir além do sindicato,sendo estes princípios organizadores para a nossa ação.E quase imediatamente veio o assunto da Polônia ‘do sindicato Solidariedade,a greve em massa da Polônia tornou-se o assunto.

P:-Onde estavam os burocratas do sindicato?

R:-Em lugar nenhum,N6s.no os vimos e certamente nenhum deixou-se ver. Veio um ministro,urna pessoa de fora, que era ativista no sindicato dos empregados da cidade,espere ‘era do AFSCME.Ele veio para a reunia-o e acabou sendo muito ativo na Coalizão de Ação Unificada.Era urn esquerdista,embora nunca pudesse se livrar do sindicato.Mais tarde tornou-se um burocrata do sindicato.Mas era muito ativo e disse, esta coisa toda se não esta’ me ensinando nada ensinou-me uma coisa,o principio de extenção como principio de organização…

P.-Havia um niunero significativo de negros e hispânicos?

R.-Deixe-me ver,o ministro era negro.Eu não me lembro de uma presença significativa de minoria.,se havia era pequena Não era significativa o suficiente para notar de uma forma ou de outra..

P.-Então qual era a condição social dos que estavam presentes?

R.-Na maior parte eram pessoas mais experientes,professores ‘educadores. Não havia muitas pessoas no inicio do movimento que fossem completamente neófitas Isto acontecia mais a nivel local.Este já era estadual,com pessoas que queriam fazer o movimento e se comprometiam e os que vieram tinham iaum grau desenvolvido de consciência sobre a crise e da inoperância do sindicato.E o que fez a dinâmica da coisa ficar tão interessante é que todo mundo estava lápela mesma razão ‘porque o sindicato não agia.Aquilo estava claro como o dia,que os sindicatos eram incapazes de fazer o que nós estávamos fazendo ali naquela noite E aquilo eatava fervilhando,a atmosfera era verdadeiramente elétrica ‘especialmente quando a discussão se dava entre a greve geral de Massachussetts e como a greve se espalhava na Polônia.E havia todas aquelas diferentes ideas sobre a Polônia-sim ‘ pessoas que conheciam muito pouco sobre isso estavam lá colocando suas idéias entusiasmadas sobre a greve da Polônia.Havia então esta conexão instântanea entre o que tentávamos fazer e o que estava acontecendo ja internacionalmente.

P:-Assim o próximo passo foi ocupar o corpo de bombeiros.

R:-Sim, certo, a Coalizão para a Ação Unificada tornouse uma organização estadual- e desse ponto em diante pessoas de diferentes comunidades juntaram-se a ela e não professores também se juntaram,e nós tinhamos um rapaz da AFCSMEque era trabalhador de um hotel,nào era nem do setor püblico.Um rapaz do setor privado cujo entusiasmo era grande com aquilo tudo e via o seu potencial para atingir o setor privado.Havia outro rapaz que veio como ativista do sindicato pela AFCSCME… 0 que aconteceu em seguida foi que recebi um telefonema de um dos professores que ouvira falar que uma das casas de bombeiros em Charlestown tinha sido ocupada;a casa no2;que tinha sido
fechada pela cidade por causa da crise de orçamento1assim como outros tinham sido fechadoã.As esposas dos bombeiros espontaneamente ocuparam a casa.Nós imediatamente descobrimos isso e dois de nós fomos para 1a ‘as nove da noite.Eles nos receberam e perguntamos se havia alguém responsável pela ocupação ali e- alguém disse:”Oh,sim,Dolores e nós a encontramos e ela foi simpática.Disse:’Bem vindos ‘a casa ocupada.Eles estavam organizando as pessoas que iriam dormir ali,organizando os beliches ‘ a comida … .

P:-Apareceu algum policial ate’ neste momento? .

R:-Nào,não,na verdade os bombeiros mesmo não estavam 1a,alguns deles so,mas suas famílias estavam.Havia muitos homens la,não eram apenas mulheres,mas eram as mulheres que conduziam a ocupação.Tivemos uma reunião com homens e mulheres e dissemos que estávamos fazendo a melhor coisa em Brookline e que compartilhávamos o que eles estavam fazendo,que gostaríamos que fossem ao nosso encontro e falassem.Nós também gostaríamos de apoia’los e falar nas suas reuniões para dizer o que achamos que precisa acontecer.Começamos então a discussão sobre a greve estadual,sobre os diversos setores,sobre democracia n local de trabalho,e que particularrnente,o que elas tinham feito refletia em menor escala,o que defendíamos teóricamente.Bern, em outras palavras ‘eles espontâneamente fizeram aquilo,f ora dos sindicatos,aquilo era uma ocupação não sancionada.. . Eles entenderam instantâneamente que a crise que experimentavam era uma crise idêntica ‘a que nós vivíamos e eles concordaram. .Greve estadual?Sim.Professores e bombeiros iuntos?Certaraente.O controle fora do sindicato por todos os trabalhadores do setor público?Sim. .Concordávamos em tudo,não havia dúvida … .A Polônia era uma terra quente.E não porque levantássemos a questão,nós ouvíamos conversas espontâneas sobre a Polônia,sobre as greves,os confrontos e os Marinheiros. .

P:-Eu me lembro de você dizer antes como isto ficou misturado com as discussôes práticas sobre onde obter molhos ‘comidas … .

R:Exato.Estava tudo misturado,a espécie de sanduíches que Blanche ia trazer no dia seguinte seria com tal e tal Cacthup e que não puzessem tudo no pão de farinha de trigo inteiro,e você sabe,na Polônia devem ter feito isto.Bem,era esta espécie de discussào,coisas práticas que emergiam.. .”como você ai’ pöe que eles fizeram no navio,na verdade era o nivei de discussão que ocorria,de uma forma não poiitica,e isto e’ o que surpreendia tanto”. .Na verdade era isto,temos urn problema para resoiver,um problema prático,corno alimentar as pessoas nas ocupaçöes e eles estão fazendo isto na Polônia tarnbém,como você acha que eis fazem isso?Assim as pessoas davam idéias,sugestàes ‘as vezes meio exquisitas… mas era urna atmosfera tão cheia de vida, corn crianças lá,muitos bombeiros embora ficassem atrás de suas mulheres,retraidos,na verdade as mulheres tinham o controle de tudo. Assim ficamos muito animados ‘pegamos o nome das pessoas e concordamos em principio que quando tivessem sua primeira reunião ‘nós seríamos convidados a falar e eles também seriam convidados para a nossa reunião… Algum tempo depois telefonamos, não pudemos falar com a pessoa que queríamos contactar ‘fomos lá uma semana depois e não pudemos chegar perto da casa. O sindicato se apoderara do movimento e tornou-o especificamente uma questão entre o sindicato (a IFFA ?)e o prefeito de Boston .Mas tornou-se explicito que era urna luta entre os bombeiros e Kevin Whjte,de Boston o que ele queria era quebrar o poder do sindicato dos bombeiros na cidade de Boston,assim eles se apossaram do movimento. Os militantes do sindicato vieram e não nos deixaram chegar perto,mesmo depois que dissemos quem éramos.Não podiamos chegar além de 15 metros da casa e eles colocaram seu pessoal cercando a casa.
o que diziam? .

R:-Niriguém!Não e’ permitido a ninguém entrar aqui… Você tern o cartão do sindicato?Era simples .Tern cartão?Ninguéra entra qui.”E aqueles caras não discutiam com você rnesmo,não havia discussão.Apenas ‘não’ era tudo o que diziam. .

P:-Não diziam alguma coisa corno:”ouvjinos dizer que havia pessoas de fora vindo aqui?”

R:-Não,o que aconteceu e’ que o sindicato não se envolveria com ninguém mais,era uma luta pelo poder entre o Prefeito e os burocratas do sindicato.
.
P:-Você se lembra como acabou tudo?
.
R:-Eu me lembro que houve urna grande passeata dos bombeiros contra Kevin White (nota do Editor:entào prefeito de Boston);Eles eventualmente reabriram a casa mas não acredito que aquilo tivesse a ver corn a ocupação … .0 que começou ‘a desenvolver-isto acontecia no pico do movimento da Coalizão,estávamos realmente no auge do entusiasmo,expansão,poder… em seguida,eu me lembro,houve outra reunião estadual,similar ‘a que tivemos na Igreja da Rua Arlirigtori,na Igreja da Cornunidade,em Boston,na Praça Copley.Nesta altura ia’ tinhamos feito muita discussão,um trabalho de base enorrne,conversado com centenas de pessoas…Deixe-me voltar atráz e contar um pequeno incidente sobre a reuniào,a primeira maior reunião da Coalizão,a feita em Brookline quando so’ professores vierarn.Um so professor levantou-se e disse: .”-O que precisamos fazer e’ parar todo o tráfego que vem a Boston,porque se o pararmos,não deixaremos as pessoas entrarem em Boston,e nós podemos fazer isto em Brookline,porque todos tem de cair na Rota 9,ou pelo menos a maior parte do trafego desenboca nesta rota- Tudo .Tudo o que temos a fazer e’ ficarmos no meio da rua e parar o tráfego por 3 minutos,cada manhã e impedirmos a entrada na cidade. .Todos conhecerão nosso movimento. .Eu levantei e disse que aquilo era errado,que não devíamos fazer isto… eu tinha um argumento bobo sobre a ação de massa versus ativismo de urn pequeno grupo de dez pessoas parando o tráfego.Bern,rnais tarde,um mês depois,espontãneamente,eles começaram ‘a fazer a mesma coisa na zona leste de Boston,parando o tráfego e***** percebemos,poxa,naturalmente,este e’ urn bom caminho,assim imediatamente fomos para la’ para participarmos com eles,assirn como fizemos com os bombeiros.Aquelas pessoas eram tão rnediocres que não queriam nada com a gente.Quero dizer,nào discutiam nada com a gente,porque fecharam uma casa de bombeiros ‘a leste de Boston.A solução deles não era a ocupaçào,era parar o tráfego que ia pelo túnel,e eles não discutiam ‘com a gente a questão.Assim & realmente imprevisivel como as pessoas respondem … .Assim a próxima reunião era a da Igreja da Comunidade,apareceram cerca de 100 pessoas e foi quando o rapaz que eu conhecia levantou-se Tinhainos o hábito de no ultimo ano,ano e rneio,reunjr-nos no hail para conversarmos sobre politica.Ele surpreendeu-me-dizendo: .”-Eu virei para a reunião da noite…” .Ele estava como comissário do sindicato ou talvêz O presidente de seu local,mas não era um burocrata,mesmo.Foi selecionado,penso,por ser o que mais militava.Veio ‘a reunião e falou verdadeiramente entusiasmado,quero dizer foi bastante dramático.Ele andava acima e abaixo nos corredores da reunião,ele não parava num lugar, andava, inquieto ‘você sabe ‘ele era potencialmente um verdadeiro demagogo. .Mas evocava a Polônia de forma apaixonada gritando: .”-Vocês vêem o que fizeram na Polônia.Isto e o que vamos fazer em Massachussets.Faremos o Estado ajoelhar e temos o poder para fazer isso.Cada trabalhador público neste estado pode parar de trabalhar e o Estado todo pararas .E as pessoas ficaram muito exaltadas.A tragédia daquela reunião & que ali apareceu este dilema,da defesa do movimento grevista,deferjdendo a greve geral,abrangendo todo o estado,defendendo várias posiçôes,mas não se organizando para mais nada a na Th ser a sua continuidade .0 pessoal naTh gostava disso ‘queria fazer uma coisa concreta. Decidiram que o movimento estava maduro e era a hora de se organizar uma verdadeira greve.Eu argumentei contra,a greve tinha de emergir de uma a’rea localizada e então ser organizada para expandir por si pro pria.Você não pode arbitráriamente fixar uma data,com anteced&ncia para organizar uma greve espontânea Fui voto vencido ‘tanto na argumentaçaTh como na votaçaTh mesmo. Eu não acho que havia uma compreensaTh real do que era organizar uma greve como aquela.Porque de repente você pode se aproximar de urna esp&cie de sindicato em miniatura se tentar organizar esta especie de greve.Eles estabeleceram com antecedência dia 13 de Maio como a data maxima para deflagrar.a greve.geral.Eu naTh gostei da idéia,e de repente ‘o que foi interessante era que toda a dinamica do grupo mudara, tudo tinha mudado .Não era mais uma questaTh de apresentar idéias ‘de discutir de defender e argumentar, o que era realmente enriquecedor,como tinha sido ate então Repentinamente quando eles acertaram a data, as idéias já nao eram férteis.De subito ‘tornou-se a questão de como vamos organizar a greve do dia 13 de Maio? Quais as táticas que usaremos e as coisas começaram a correr muito rápido ‘quantos panfletos vomos escrever,onde vamos distribui-los quem vai distribui-los,quando,etc. Mais reunioes ?Podemos distribuir mais panfletos,podemos organizar pequenas reunioes em várias cidades?E assim por, diante.Assim o que aconteceu láfoi interessante,porque muitas pessoas que naTh tinham experieflcia politica ficaram realmente envolvidas,e muitas pessoas que tinham se sobressaido realmente antes se afastaram um pouco.E o que aconteceu foi que algum grupo numa das escolas defendeu outra vez parar o tráfego para coincidir com as paradas de tráfego de Boston Leste,e de repente a CoalizaTh tomou isso como causa local,aceitando,e começaram a organizar -se para parar o trânsito Fomos visitar todas as escolas,dizendo para todo mundo sobre a reunia-o da manha antes das aulas,sobre impedir o tráfego e assim foi feito .0 New York Times deu a noticia,fomos para a capa do New York Tirnes,era um grande assunto,causava realmente o caos,o que estava acontecendo em Boston

P. :E qual a reaçao das pessoas nos carros?

R. :Um dos nossos colegas foi ferido por um caminhaTh,foi atropelado.Afortunadamente ele voou,no ficou caido no chão e escorregou pelo teto do carro uns cem metros caindo no chao depois todo machucado.Algum comerciante zangado decerto jurou por Deus que ninguém iria para-lo. P. :Você parava os carros e tambem distribuia os planfetos? Nos tinhamos cartazes dizendo que teriamos uma greve.Na mesma hora o estado ficava sabendo que est&vamos defendendo a greve geral estadual.As reuniões tambe*m ficam menores,na maioria são reuniões de organizaço.O sindicato come5ou a convidar para reuniões e de repente,o que o sindicato faz e adotar o nosso modelo.

P. :Você pode falar uma pouquinho sobre o seu argumento,que o sindicato faria isso, quando todo mundo estava cetico quanto a isso?

R:Sim ‘eu ba’sicamente argumentei que o sindicato se dirigiria para a esquerda,assim que entendessem que tinham de se dirigir para a esquerda ‘eles se dirigiriam para a esquerda.Havia muito ceticismo.Mas o que aconteceu foi que os lideres do sindicato estavam ali ‘junto com gente parando o trafego.Um dos lideres ‘inclusive foi preso, parando o transito e conscientemente queria mesmo ser preso, quero dizer ‘voce’ podia ver claramente que queriam dizernos, como sindicato estamos controlando isso ‘e come5aram a fazer mais reuniões do que a gente .Nas usavam o nosso modelo.Tinham reunies abertas,qualquer pessoa podia participar,qualquer urn podia faiar,tinham o limite de dois minutos para falar,a lista de oradores,a agenda aberta,adotaram todas as caracteristicas das nossas reuoes.Fizeram propaganda tambem..O que acontecia era que as pessoas que na o entendiam o papel que o sindicato estava fazendo agora ‘pensavam que elas tinham causado tal impacto no sindicato ‘diziam, olhe, a influência que exercemos agora o sindicato esta adotando nossa a nossa linha … e isto & bom,pensavarn.Eu dizia constantemente, no isto na o e” legal … temos de ficar atentos,porque o sindicato na Th esta fazendo isto especificamente porque sabem que se no fizerem vão perder todo mundo.Aquilo tornou-se urn constante debate que ia se desenvolvendo e gradualmente as pessoas começaram a concordar com essa posição.Ja” conseguiam ver o que o sindicato estava fazendo.Os esquerdistas eram os que não conseguiam ver.Pensavam que era uma vitoria, o que era mais espantoso…

P. :Qquis eram os sinais de que as pessoas estavam percebendo a manobras do sindicato.?

R :Eles podiam ver claramente como o sindicato se inclinava para a esquerda para usurpar as coisas que esta vamos fazendo.E ficavam arguindo,dizendo,você não vê,esta claro como o dia… Havia urna mulher irlandesa que foi incri’vel,que levantou e atacou o sindicato direto,frente a frente ‘dizendo “Vocês ai !Onde estavam quando estavamos fazendo isso e mais isto?Vocês argumentavam contra a gente ate” agora !E agora estão fazendo o que nos defendemos Mas voc€s ainda nao são capazes de irem ate’ 1a e falarem com os borobeiros!Nos estmos 1a todo dia, conversndo com os bombeiros, tentando faze-los se unir a nos,voce’s saTh incapazes disso! E quero dizer, realmente ela era mesmo militante, e o fato dela estar la na frente ‘atacando, bem, chegou a tal pnto que eles odiavam aquela mulher, tinham medo dela.Quando ela punha o nome dela na lista dos que iam falar,eles reviravam os olhos e diziam” ai, meu Deus

P. :Eia alguem que um passado politico, ou era uma dessas pessoas que apareceram?

R. :Nào,penso que apareceu lá.Ela da Irlanda,penso que tem esta fôrça e este e5rito de luta pelo fato de ser irlandesa .Não tenho certeza contudo.Ela tinha coragem,esta coisa ‘que fazia a gente ficar encantado de ouvi-la.Tinha provávelmente 55 anos de idade. .Ela tinha o discurso mais espontãneo,mais ativo de todo o grupo de militantes já engajados.Assim,o que aconteceu é que o sindicato tornou-se ainda mais militante e eles chamaram um dos lideres estaduais para vir falar faiar no nosso sindicato local.Tivemos cerca de 600 pessoas neste encontro do sindicato e um dos organizadores da direção do sindicato do Estado veio para falar para a gente sobre uma greve geral..Eu comecei uma discussão com o cara,e o enfrentei … .0 motivo foi que ele disse:-Nós estamos prontos na nossa organização a nível estadual mas os sindicalistas no Estado nao s-tão prontos para uma greve,e quando estiverem prontos,nós temos as táticas preparadas para dizer ‘a eles como conduzir uma greve geral.” .

P:-E isto foi feito de uma maneira muito condenscendente … .

R:-Muito condenscendente.Então fui em frente e apenas disse:”-A arrogância… você está dizendo-nos isso,quando nós já estávamos aqui há Muito tempo,defendendo isso,antes ainda que’ vocês se levantassem lá e tivessem uma reunião aberta,e agora você está sentado aqui dizendo-nos que tem uma tática,mas não pde nos falar sobre ela?E,rapaz,a multidão estava ficando tão hostil contra aquele cara,realmente hostil e até podíamos sentir a hostilidade do grupo.Acho que o cara começou ‘a suar,a coisa estava muito difícil para ele … .

P:-Você mencionou que o cara estava estupefato..

R:-Estava estupefato pela reação dos militantes,atacaridoo pela audácia de ser tão condensendente conosco..Então o que o sindicato fez foi lembrar a regra do limite dos dois minutos de faia,forçando-me ‘a parar de falar.As pessoas então abriram mão de seu tempo para que eu continuasse falando.Eu parei e esperei que alguém me desse seu tempo.Então comecei defendendo a questão do limite de fala,que o usávamos simbolicamente ou para debates amplos e que estávamos usando-o para urn debate numa reunião £echada;isto tornou-se uma questão. dificil.E então,penso que na próxima reunião eles encurtaram-no para um minuto e meio,ou mesmo o encurtaram mais … .

P:-Permitiram ‘as pessoas não sindicalizadas participar do encontro? .

R:-Pessoas não sindicalizadas participaram do encontro e a falar se quisessem.Porque esta era urna questão sobre a qual sempre discutiamos.Assim percebemos que a greve não aconteceria,assimn defendemos uma parada,urn dia de paralização e tentar organizá-lo através de diversas cornunidades,e foi quando o sindicato do Estado envolveu-se conosco e começou ‘a vir para os nossos encontros assim como o organizador ‘a nivel do Estado veio para os nossos encontros.E,outra vez,foram muito interessantes,legais, tentando ser militantes ‘tentando dizer que havia todo aquele pessoal que realmente militava lá,e que nós éramos os maiores militantes aqui em Brookline e por ai vai. .E quando chegou o dia da paralizaçào,houve outra na comunidade vizinha que o sindicato não nos avisou.Ai,aquilo deixou o pessoal zangado mesmo. .Estas pessoas paralizaram,nós paralizamos e fomos presos.Nôs não sabiamos,não havia ligação e o sindicato sabia,pois o sindicato fazia a ligação entre nós e calou-senão nos dizendo nada. .Isto provocou a ira das pessoas,provocou a ira do grupo de Brookline tanto e tanto que ein 24 horas eles organizaram uma passeata contra o sindicato como o principal obstáculo para resolver a crise.Foi nesse momento que os esquerdistas se adiantaram e vieram sobre n6s.Eu me lernbro,uin momento muito dramtico,urn dos esquerdistas levantou-se e disse:Nunca,na história da política do trabalho de Massachussets um grupo de trabalhadores protestou contra seupróprio sindicato.Esta é a primeira vez e é um MOMENTO VERGONHOSO na história do trabalho de Massachussets’ a idéia era: “vocês estão cegos’,”estão completamente cegos’,”estas pessoas são nossos inimigos!’ .Fomos então e fizemos uma passeata na frente do sindicato ..Chamamos os jornais,eles não vieram,nada foi impresso.Tudo o que fizemos estava nos iornais,exceto isto. .Nós então entendemos que eles fizeram isto deliberadamente.Que havia algum conluio entre a imprensa e o sindicato.Não sabemos se é verdade,claro,mas era o que pensávamos. .E isto criou um racha entre os esquerdistas,e o nosso grupo .0 sindicato então iniciou seu papel de militante convidando para reuniöes locais em edifícios particuiares,reunies variadas,encontros individuais.E o que eles fizeram é divulgado,iá que o sindicato está liderando as reuniões,e nós não,e anunciaram que membros não sindicalizados poderiam ir ‘as reuniöes,mas não seria permitido falar no encontro.Essa era uma nova politica.Bern,o que eles fizeram efetivamente foi experimentar isto nas escolas locais,assirn,imediatamente recebi telefonemas de todas estas pessoas .0 que aconteceu depois,logo em seguida foi que o sindicato marcou outra reunião maior.O interessante sobre esta reunião foi-eles foram inteligentes-nossos encontros eram sempre na lanchonete,onde todos no encontro ficavam frente ‘a frente,assim,podia-se levantar e todos que se levantavam estavam automáticamente encarando a todos,tudo que você precisava fazer era virar a cabeça.Na próxima reunião eles se transferiram para um auditório,onde as cadeiras ficavam de frente para o palco e os burocratas do sindicato sentaram-se ‘a frente do pôdium,puseram microfones na audiência, assim quando falávamos ‘eles necessariamente indicavam a pessoa e assim tinhamos de falar para o pódium e não para os associados. .Eles puseram uma corda ao redor e reafirmaram a politica de que você pode vir,rnas deve sentar atráz do cordão se você não for membro do sindicato,sabendo que eu tinha deixado o sindicato,a mulher irlandesa também deixou,o outro cara,um dos caras do “Spartacus” original que levantou e disse:”-Eu também escrevi o panfleto,deixou o sindicato!”

.(Nota do Editor:esta é uma referência ‘a cena do filme SPARTACUS,de 1960,näo ‘a Liga Spartacista Contemporânea)

.Pelo menos meia dúzia de pessoas que eram militantes de verdade abandonaram o sindicato por causa do que haviam feito.Eles disseram: “-E assim,estivemos discutindo isto todo o tempo,agora está claro como um sino,eles estão agindo para dividir e separar!’

.P:-Porque as pessoas aceitaram isto,este cordão de separação? .

R:-Eles não acreditaram… Bem, eles não tinham o controle,o sindicato que marcou a reuniào.O que fizeram foi por um folheto na caixa de correio das pessoas dizendo:”reunião do sindicato” em tal etal escola,em tal hora,e as pessoas foram,ostensivamente para ouvir as últimas lá de cima do sindicato… As5im,a reunião maior foi marcada e houve a grande confrontação que eu tive com o Presidente do sindicato até agora.Penso que foi na primavera seguinte,foi realmente no próximo ano que o sindicato teve um papel ativo,muito militante. .E outra vez,penso que o sindicato naquele primeiro ano teve um choque com a coisa toda.Eles não sabiam como responder…

P:-Estou tentando pegar o sentido do tempo.Houve a paralização,e a reação violenta imediata das pessoas contra o sindicato,e ai a passeata em frente do saguão do sindicato,o momento quando rasgaram os cartes..

R:A passeata ocorreu logo após a paralizaçào por causa da raiva que tiveram pela falta de comunicação.Mas tal9es os cartões do sindicato não foram rasgados neste mornento,embora algumas pessoas devem ter rasgado seus cartes.Tenho certeza que a mulher irlandesa rasgou seus cartöes,ela estava muito brava e houve umas pessoas que se sentiram humilhadas e recusaram-se a ser membros do sindicato no próximo ano. Mas uma parte de nós éramos ainda membros do sindicato.Quando as reuniões ocorreram outras vezes no próximo anohouve uma segunda rodada de cortes,muitos deixaram o sindicat,o;foi o que houve. .0 sindicato tinha um novo presidente,eles estavam um pouco mais espertos para lidar com a gentenós estávamos menos
preparados porque não tinhamos resolvido a ,questão do sindicato,qual sua natureza ’embora alguns de-nos tivéssemos um ponto de vista claro.Foi quando eu e dois ou três mais rasgamos os cartöes do sindicato,do sindicato local;jsto foi no ano seguinte depois que baixou um pouco a crise e surgiu uma nova crise …

.P:Provocado porque que?

R:A segunda rodada… Havia falta de dinheiro,tinham que enfrentar os cortes e haviam novas saidas pela frente.Assjm,foj no segundo ano.tJsaram as mesmas formas anteriores,os que não pertenciam ao sindicato não podiam falar.Nào estávamos tendo encontros públicos mais,aquilo acabou.Deve ter sido na primavera de 82.

.P: Qual foi o resultado da orientação esquerdista do sindicato?

R:O resultado dessa orientação foi uma atitude mais militante do sindicato para enfrentar a crise quando ela reaparece,estar mais preparada para o trabalho,corneçar a conversar sobre as açöes da militância,eles marcavam as reuniões sozinhos e falavam ativamente. .Era na primavera,no inicio,quando marcavam as reuniöes locais,rnarcavam estas reuniões na escola no momento que surgia outra rodada de sâdas.Marcavam as reuni6es locais e disseram que a nova politica era os não membros do sindicato podiam vir mas não podiam falar. .Não professores podiam vir ‘as reuniões,era o que estivemos discutindo longo tempo,que todo o mundo tinha de ser convidado. .

P:Quando foi a reunião que você tentou falar e tentaram pará-lo? .

R:Foi a reunião maior,onde rachou a Coalizáo,esta deixou de existir neste encontro na primavera de 82. .0 que aconteceu naquele momento foi que houve um acordo tácito e de fato pensamos que foi um acordo explicito com cada membro da Coalizào,pelo menos 10 pessoas puzerarn seus nomes na lista de oradores e argumentaram para abrir o encontro;foi a chave mestra,o encontro tinha de ser aberto.0 que aconteceu foi,quando levantei,eu fiz um erro fatal quando disse,eu cometi um erro catastrófico de iulgamentoporque foi uma reação emocional de minha parte oposta a uma ação fria… Forçei a ida ao microfone com base de que eu era ainda técnicamente um membro do sindicato.Eles não tinham o direito de me impedi falar sem dar-me o direito de receber naquele momento 10 d lares de multa do sindicato .Corno não tinham o dinhei ‘di s eram ok;com isto tiveram de concordar.Ele me odiava mas fui em frente.Ele disse:”-Você tem de deixá-lo falar” .Eles,fisicarnente tentaram me impedir,mandararn um dos rapazes,estudantes de Estudos sociais,para impedir-me de chegar ao microfone.Acabei indo e cometi o erro;a primeira coisa que fiz foi contar a todo mundo na reunião o que tinha acabado de acontecer ‘que eles estavam tentando me impedir de falar e isto foi um erro.

.P:Por que?

.R:Bem,teria sido bem melhor se eu estivesse focalizando o cordão como sirnbolo de desunião e tivesse usado isto corno demonstração simbólica do papel atual do sindicato para dividir e reinar. Se eu tivesse focalizado exclusivamente isto eu estou certo que eles teriam tirado o cordão com os pedidos dos membros do sindicato.Como foi eu tive pouco apoio.Pelo menos metade das pessoas na sala ficaram animadas quando eu falei,bateram palmas,mas quando o presidente do sindicato falou…

P:Assim você não pediu para o cordão ser retirado?

.R:Sim, ‘falei,eu disse;este cordão está separando os membros do sindicato dos não associados,ê a tática decisiva que estão tentando fazer agora.Estão tentando impedir que as vozes militantes dentro do sindicato falem ou professores militantes de falar com esta corda… 0 que aconteceu foi que o esquerdista,que estava l. quando eufalei ele gritou alto algo como “ouçam,ouçamn e o presidente do sindicato virou para ele apontando-o e fêz um comentário sarcástico que o intimidou muito e penso que intimidou todo mundo na nossa coalizão a ponto de ninguém levantar-se e colocar seu nome na lista de falar.Comn isto,3 dos membros da Coalizão levantaram-‘se,ultrapassaram a corda e foram embora batendo a porta e eu levantei e ,fui com eles neste momento.Assimn acabou a coisa..Estou certo que teriamos aguentado se eu não tivesse agido daquela forma.Assim foi e a Coalizão não se encontrou mais.Acabou mesmo e o fato é que houve grande hostilidade entre aqueles que ficaram na reunião e os que foram embora.E isto mesmo. .

P:Fale um pouquinho sobre este fenômeno que você mencionou de pessoas que não tinham nenhuma experiência prévia … .

R:Bem,antes disso tudo acontecer uma das primeiras foi quando eu distribui o primeiro boletim e marquei a reuniào,rnas ‘o nosso diretor foi muito hostil ‘a coisa toda.Ele era uma escie de homem que se irnpunha,pronto a arrancar sua cabeça se pensasse que você iria defender uma greve,então o que fiz;desde que não tinha segurança no cargo ainda e era novo no sisterna,eu fui falar individualmente com cada um dos professores de escola. .Escrevi o panfleto convidando para a reunião simplesmente para discutir.os assuntos ‘ Consegui que cada membro da faculdade assinasse se o convite para a reunião e então … .Eu conhecia as pessoas,havia 4 membros chave e eu sabia qu€ se conseguisse suas assinaturas outras pessoas iriam,se não conseguisse,as pessoas não iriam .Isto foi na ocasião da Proposição 2 1/2,ap6s a primeira reunião do sindicato,quando distribui o folheto original.Agora,o que aconteceu foi que eu estava em discussão com muitas pessoas antes disso,a coisa estava fervendo e eu conversava com todos os que podia e o que foi interessante e intrigante é que antes que acontecesse Ma 1 a,eram estas pessoas que pareciam bastante autoritária militantes experientes,pessoas envolvidas Ê0C —oz- 0,que faziam estas coisas politicas,guerra anti ,que falavam com autoridade sobre o que tinha de ser feitoou não.Quando convidei para a primeira reunião e eles foram e eu entrei na sala do diretor e pedi sua assinatura ele achou que era urn tapas na sua face,que não falou mais comigo o resto do ano de tão bravo que ficou.A reunião ocorreu e estas pessoas tão autoritárias sentiram-se mudas,completarnente mudas.Pessoas que não tiveram nenhuma experiência pública estavam arguindo… esta mulher,que não tinha experiência,ela entendeu a difimica do que estava ocorrendo e disse:”Eu não tenho  opinião sobre a greve,mas eu tenho opinião sobre o direito de nos encontrarmos e falar sobre isso”.Ela estava  indo contra os direitos e defendendo-me.E ela práticamente me salvou falando sobre a importância para a faculdade que todos viessem e ouvissem o que todo mundo tinha a dizer.Estas pessoas e não foi só minha experiência,era a experiência de todos na coalizào,todos espantados com aqueles que não foram para frente,que ficaram lá atráz,pessoas que eram ativas no sindicato,que falavam radicalmente nas salas de aula,todas que você pensava saissem na frente ficaram lá atráz durante o episódio inteiro. Ló vieram para a frente quando os canais legais do sindicato entrararn;foi o único veículo capaz de movê-los .Não podiam se abrir para aquele movimento espontne que estava começando. .Todas as pessoas., .muitas delas tocados com a experiência,eu quero dizer,dizendo ‘Meu Deus,você pode acreditar o que aconteceu?” -.Essa espécie de coisa.Eu fiquei lá com um sinal de piquete e parava o tráfego.Ora,eu falava na reunião-você acredita que aquilo saia de minha boca?Estava espantado com seu próprio comportamento.Cora todos isto acontecia muitas e muitas vezes,era extraordiñrio.Isto era um elemento animador e ver as pessoas irem para frente ‘pessoas que você não sonharia que falariam daquela forma militando mesmo,realmente coisas corajosas que eles fizeram-fiquei chocado. .Estou certo que foi a experiência idêntica a dos bombeiros. .Que pessoas que nunca pensaram em atividade radical de fato,o intrigante é que Charlestown foi uma das áreas onde lançaram pedras em ônibus durante a integração em 1975.As mesmas pessoas que jogavam pedras em ônibus que entravam em sua comunidade estavam conversando sobre a Polônia e greve de massas de 1981.Quer dizer, isto era intrigante. .Assim,pessoas com maior visão,com linha política esquerdista,pensamento de esquerda tornavam-se incapazes de agir neste meio ambiente espontâneo não sabiam lidar com ele,sentiam-se inconfortáveis e não podiam esperar para torná-lo uma organização.Estavam acostumados a distribuir folhetins,niandá-los aos montes e como era espontâneo,na extensão desta espontaneidade estas pessoas sem experiência vieram para a frente. Desde que fosse organizado os esquerdistas podiam se envolver porque eram experts em organização.Eles sabiam organizar,sabiam formar comitês,sabiam obter petições assinadas,sabiam fazer todas estas coisas.Quero dizer, estávamos na televisão, no rádio, em debates ’em shows de rádios,estávamos no ar quando aconteciam as coisas.

.P:Estãvamos falando sobre as relações entre,de um lado,esta inacreditável espontaneidade e de outro lado no fato de que você não tivesse escrito aquele folheto … .

R:A imagem que me toca mais e mais vezes são as conversas com aquele professor.Tivemos conversas sobre tudo sob o sol por 15 minutos que estivemos là.E esta conversa ocasional,tenho receio de fazer alguma coisa porque estava morando lá há apenas um ano e meio e era sulino sem muita experiência daquele clima l de cirna.Não conhecia nada ria área;estava nervoso e ele deu-me coragem para dizer “Sim,naturalrnente vamos fazer isto,vamos teritar’,e tivemos esta reunião. .Mão posso imaginar nada disso acontecendo em Brookline se não tivesse iniciado aquele encontro original para escrever o primeiro folheto.Não acreditava que aquilo acontecia.Este outro rapaz,este esquerdista era a espécie de pessoa que teria apoiado qualquer atividade do Sindicato mas não acredito que ele tivesse iniciado qualquer coisa fora dos quadros do sindicato.Nào era essa espécie de pessoa.Trabalhava duro.Era esquerdista no sentido de que era um grande organizador.Sabia fazer as coisas,como marcar reuniões,fazer milhões de telefonemas,tudo o que era péssimo em fazer.Estou certo de que aqueles três principias… auto organização,extensäo,organização salarial cruzada- estes três princípios simplesmente não teriam existido como principios organizacionais se eu não estivesse lá.Se não tivesse sido influenciado pelo ICC,porque lia muito o ICC e tinha encontrado o ICC várias vezes .0 ICC não participava,fiz isso indempendentemente,teria feito de qualquer forma,mesmo sem conhecer o ICC,e talvêz minhas próprias condições tivessem sido diferentes,poderia ter enfatizado mais umas coisas do que outras,mas os três princípios vieram do ICC.

P:E o que aconteceu corn os militantes mais interessantes?O que aconteceu’a mulher irlandesa,com aquela da custódia?

.R:Uma das propostas no grupo,depois que me juntei ao ICC,era tentar influenciar pessoas que eram mais receptivas. ‘as posições que eu estava defendendo e muitas foram receptivas .Mas quando chegamos ‘a análise politica,abstrata análise hist6rica,usando este contexto para análise histórica e posições politicas,caia em ouvidos surdos pelas mesmas pessoas.Muitas pessoas vinham para o ICC,para as reuniões como resultado disso mas foram ultrapassadas por isto.Quero dizer,o que isso tem a ver com o que acontecia? Não havia conexão entre as duas coisas .Parecia tão abstrato,falando sobre nacionalismo,a questão nacional ou alguma cois.a,quando vários deles vêem para a reunião e sentavam-se lá mudos,olhandoEstavam parece que boquiabertos com a coisa toda,mas não podiam imaginar a conexão real entre as coisas Penso que pessoas apareciam repetidamente durante as várias fases disso tudo,sabe,estâ ainda ocorrendoO Sindicato tornou-se infinitamente mais radical,é o chamado Sindicato militante,conduzido pelos professores de Brookline mas são conduzidos por estas pessoas,fileiras de doutrinas,espécies de militantes que ensinam estudos sociais e sabem tudo sobre 1930 e a organização de CIO,que são simpatizantes de esquerda e do PC e tudo isso. .Tornaram-se os lideres do sindicato.Interessante,o rapaz que tentou prevenir-me de falar,que ficou fisicamente no meu caminho,rapaz alto,moreno,professor de estudos sociais,t,ornou-se presidente,um dos mais militantes do sindicato,este rapaz,que tentou bloquear nossa inflüencia,tornou-se o maior militante que tiveram.

.P:Ele se desculpou com você pelo episódio?

.R:Não,ele me evita-desviao olhar,quando passamos perto do outro… ele sabe que eu não gostava dele-Deixava claro que estas pessoas do sindicato eram vendidos;eu dizia isto abertamente e alto.O interessante,após a reunião é que fui completamente afastadocai no ostracismo por minha própria faculdade,pessoas do meu próprio departamento.Estas pessoas evitavam me olhar por longo ternpo.Poucas pessoas não fizeram isto… Então começavam a falar comigo tendo urna melhor compreensão do que acontecia e parece que perdoavam. .Mas é uma questão interessante,a nação toda de espontaneidade versus intervenção revolucionária. Não acontece apenas.Há um papel para isto.Como julgá-la?
Está além de mirn.Penso que a filosofia básica que teve, sempre é que você não pode iulgar,riào é possivel julgar quando a influência terá a ressonância ou quando a intervenção terá a ressonância do movimento espontâneo .Não há como julgá-lo.Fiquei espantado com o rumo tomado. .Eu não achava que isto podia acontecer.Estava acostumado a fazer estas coisas e deixá-las cair era ouvidos surdos. .E achando alguém que me ouvisse,sempre conversando com eles para levá-los a um ponto de vista esquerdista.Esta era a minha experiência,quando subitamente as coisas tomaram seu rumo próprio e eu não estava no centro delas,foi para mim extraordinário Foi interessante que o grupo entendeu rápidamente a importância de eu não ser o organizador.O grupo disse:não sente na mesa diretora,sente bem como a audiência e fale porque você tem a fala mais militante e tradição viva que mexerá com o pessoal.Você precisa estar na audiência”.E outra vez eu não sei se isso resolve a questão,se há sempre situaç6es espontâneas,você se maravilha sobre a greve dos bombeiros também,em que medida alguém deu ao movimento um pensamento a priori ou em que medida algumas pessoas sentadas ao redor da mesa do café da manhã ficaram cheias daquilo tudo e disseram”não vamos deixar isto acontecer”.Minha suspeita é de que era mais espontâneo no sentido de que fui retomando fácilmente e depressa eo nosso não foi retomado tão fácilmente.Levou um longo tempo para recuperá-lo.